Rondônia, segunda, 17 de janeiro de 2022.

ALE-RO

Internauta denuncia venda de alimento supostamente estragado por panificadora e tem que se desculpar publicamente

Internauta denuncia venda de alimento supostamente estragado por panificadora e tem que se desculpar publicamente

Ketlen Nayara afirma que achou injusta a exigência da empresa, mas aceitou atendê-la devido à ameaça de processo

Maria R. Gabriela

A consultora de vendas de produtos fotovoltaicos, Ketlen Nayara Oliveira da Silva (18), atualmente em união estável, se viu obrigada a postar um pedido público de desculpas, num grupo de vendas e trocas de Vilhena disponível no Facebook.

No sábado passado, neste mesmo grupo, Ketlen havia feito uma postagem sobre um lanche comprado numa panificadora da cidade, declarando que o produto estava estragado e criticando o estabelecimento. No post, ela anexou a foto do lanche como comprovação da denúncia.

“Naquele dia, logo pela manhã, eu passei na padaria para comprar um salgado para comer na empresa onde trabalho. Quando vi o estado do lanche, fiz a postagem falando sobre minha revolta, pois já era a segunda vez que acontecia aquilo comigo no mesmo estabelecimento. Na primeira vez não postei nada, só peguei o dinheiro de volta. Mas, desta última vez, resolvi denunciar e tive essa iniciativa porque tinha certeza que não estava acontecendo só comigo. Não era possível que só eu teria esse azar duas vezes! Então fiz o post e sofri consequências”, explica Ketlen.

A postagem da consultora de vendas recebeu diversos comentários de outras pessoas denunciando a panificadora (veja prints abaixo). No final da tarde Ketlen voltou à padaria para devolver o lanche e pegar o dinheiro de volta novamente. “Devolveram o dinheiro, mas pediram que eu apagasse a publicação e fizesse uma nota de esclarecimento pedindo desculpa pra eles. Não entrei em detalhes de como seria essa nota, fui pra casa e apaguei a publicação, conta.

INJUSTIÇA

Apesar de ter excluído a publicação, segundo Ketlen, na segunda-feira à tarde (31/05), uma advogada contratada pela panificadora entrou em contato com ela exigindo a publicação de um pedido de desculpas no grupo do Facebook. “Ela disse para eu fazer uma retração por ter difamado a empresa publicamente. Se não fizesse, ela disse que eu poderia aguardar minha intimação, pois iria abrir um processo contra mim. Essa advogada me deu um prazo de doze horas. Como a corda sempre arrebenta pro lado mais fraco, decidi fazer a retratação”, afirma Ketlen.

A entrevistada acrescenta que, “não achei justo eles me venderam um lanche estragado um ano atrás e agora, de novo, acontecer o mesmo, sem eu ter direito a reclamar. Se fosse só uma vez, poderia se dizer que era acidente, mas, duas vezes, já é demais! O fato da panificadora querer uma nota de retratação eu até entendo, pois é uma empresa, é um CNPJ que depende da compra de consumidores como nós. Porém, se ligassem tanto para a imagem da empresa teriam melhorado a qualidade dos produtos, já a partir da primeira reclamação. Mas não fizeram nada nesse sentido: desde o primeiro ocorrido para esse, nada mudou”.

CONSELHO

Apesar da dor de cabeça com a postagem, Ketlen diz que tudo que está errado tem que ser denunciado. “O conselho que eu dou a outras pessoas é que não deixem de denunciar, corram atrás dos seus direitos, mesmo que tenham que passar pelo que eu passei”.  A consultora de vendas esclareceu que manterá suas redes socias ativas, “uma vez que eu não me sinto constrangida por ter feito a retratação e não me arrependo de ter feito a postagem denunciando a péssima condição do lanche. Quando me pediram para fazer o pedido de desculpas, até fiquei constrangida, mas depois pensei que, se alguém achar que estou errada, é só continuar comprando na padaria. Vá lá, compre algo perecível pra comer, e fique atento!”.

A pedido da entrevistada, o nome da panificadora e da advogada que a contatou não foram citados na reportagem.

Fotos: Arquivo pessoal

Ketlen Nayara e postagens referentes ao caso
Print Friendly, PDF & Email

One thought on “Internauta denuncia venda de alimento supostamente estragado por panificadora e tem que se desculpar publicamente

  1. Está correto denunciar, mas na em redes sociais. Deve sim ir no Procon, ministério público, processar, enfim, denúncia consistente no lugar certo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

quatro + dezessete =